Assembleia Geral define modernizações no Estatuto do América

  • Daniel Hott
  • 01/09/2017 15:16
Reunião na noite de quinta-feira aprovou mudanças que se enquadram na legislação atual (Arte: América)

O América realizou, na noite dessa quinta-feira, uma importante edição da Assembleia Geral do Clube, em sua Sede Social, localizada no Shopping Boulevard. Em pauta, estava a deliberação das propostas para a modernização do Estatuto Social do América Futebol Clube, que já havia sido discutida em reuniões anteriores pelos membros do Conselho Deliberativo.

As propostas foram sugeridas pelos próprios conselheiros, a fim de seguir o processo de atualização da gestão do Clube, dando mais profissionalismo, clareza e transparências ao modelo de governança. Todas as mudanças estão de acordo com as legislações vigentes e com o ProFut.

Ficou definido que o associado cotista seguirá com direito a participar e votar nas Assembleias do Clube, a fim de estimular a adesão de novos cotistas. O sócio-torcedor também continuará com direto de participar dos encontros.

Quanto ao Conselho Deliberativo, ficou aprovada a redução do número de membros de 200 para 120, com outros 20 suplentes. Já no Conselho de Ética e Disciplina, a mudança será de cinco para três membros titulares, com outros três suplentes, seguindo o modelo já praticado no Conselho Fiscal.

A figura do Superintendente Geral foi mantida e suas ações continuarão alinhadas com o Conselho de Administração. Outro ponto de mudança é em relação ao Conselho Consultivo, formado por ex-presidentes do Clube, que passará a ter poder de veto na alienação dos patrimônios do Clube. Houve ainda alterações no processo eleitoral, com ajustes nos prazos e critérios de elegibilidade e de formação de chapas.

O Conselho de Administração passará de nove para cinco membros. Além disso, para estimular a rotatividade de nomes, será necessária a alteração de dois membros a cada triênio, sendo que ao menos um dos entrantes precisa ser, obrigatoriamente, um gestor que nunca participou do Conselho de Administração. A ideia é que, com essa alternância, o Clube possa preparar constantemente novos membros.

Além disso, o Estatuto passa a ter, de forma explícita, um termo que dá abertura para parceiros e investidores estabelecerem negócios com o Coelho. Nesses casos, será obrigatória a nomeação de um Diretor-Executivo profissional para figurar como gestor da parceria dentro do Clube. Desta forma, o América entra de vez na rota de captação de investidores e espera atrair, cada vez mais, a atenção do mercado.

O presidente Alencar da Silveira Júnior agradeceu os conselheiros que estiveram na reunião. Segundo ele, o Clube segue seu caminho de modernização administrativa. "Agradeço a presença dos 66 conselheiros que votaram pela modernização do estatuto e pela permanência do Conselho Administrativo, que já deu resultados no América e é um exemplo para todos os clubes e associações", comenta.

Todas as mudanças definidas na Assembleia que alteram o Estatuto do Clube passam a vigorar imediatamente. As alterações no Conselho passam a vigorar a partir do próximo mandato, que começa em 2018.